quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Á nudez, nossa nudez miserável do tédio humano


Um aviso:
como estou ocupado com testes e provas, e com muita preguiça, talvez fique algum tempo sem escrever.
Post:
Como debate sobre a nudez nas obras artísticas cinematográficas está a todo o momento chegando a mim, quis expressar minha humilde opinião. O que é nudez? é estar sem roupa. óbvio! será mais do isso? despir totalmente a alma e deixá-la crua nas telas televisivas e cinematográficas? para mim, um corpo nu é um corpo nu.
Mas não digo que seja sempre a mesma coisa. Nu artístico é usá-lo como símbolo de algo maior,talvez até fora da compreenção humana.Há beleza num corpo nu, e ainda mais um corpo feminino com suas curvas e brilhos, do que num masculino reto e superabundante em músculos made in bomba. O jeito que é exposto nas apresentações domésticas e comerciais (cinema), não é mais arte, é apelação para a banalização do corpo e do sexo, numa sociedade a vê-los em quase tudo: desde uma garrafa de cerveja a uma top model anoréxica com atrofia cerebral, que centenas e milhares de adolescentes e suas espinhas idolatram nas revistas da playboy como se fossem deusas, quando são apenas lipo e silicone.Nada mais.O que vemos não chega a ser pornografia, como insinua Pedro Cardoso, mas a decadência da falta do que fazer, do que escrever, que é suprido com imagens tão comuns a nós no carnaval.Sinceramente, quanto mais nos expomos a isso, mais idiotas instintivos nos tornamos, chegando à miséria humana.Mas não sei como anda as produções atuais, vizto que madei minha TV pela descarga há muitos meses.
Conclusão: Nu só com moderação.
Ao persistirem os sintomas um médico deverá ser procurado.

abraços libertários

domingo, 5 de outubro de 2008

Sou um criminoso!


Sou um criminoso: não votei.Sou um crimonoso.
Sou um criminoso por querer algo mais em meu país, mais meu do seu, mas de todos (isto não é uma propaganda do governo, apesar do slogan),
querer dormir direito à noite sem barulhos de tiros a minha janela,
querer sofrer um acidente e ser tratado decentemente no hospital público,
querer aprender coisas que não serão jogadas pela descarga do meu vaso a fora,
querer pagar imposto (tá, não quero pagar imposto, mas é o jeito, né?) e saber que não foi para pintar a parede da casa do cachorro da afilhada da sogra do vice-prefeito de jardinzinho,
quero votar em um bom político, e não nesses ai, que sempre aparecem, mas nunca desaparecem da cena política, e, pergunta: alguém já os viu trabalhando?
Enfim, quero sonhar sonhos que se tornarão realidade (isto também não é propaganda da Disney)!
E, meu amigo leitor, quero que saiba, e bem sabido, que sempre gostei de você.Se de madrugada, a porta de meu apartamento for derrubada, e meu estilingue me proteger,e for preso, e desapareça, quero que saiba....que foi o senhor marinho, na sala de jantar, com o castiçal, com a ajuda do mordomo, amante da dona branca.

abraços libertários