sexta-feira, 17 de julho de 2009

Deglutição


Este, indubitavelmente, é um dos meus poucos momentos atuais de certa vontade to write... Uma interferência dos titãs em seu ímpeto de vingança à Zeus.....
Usando o título de um excelente livro que eu li, parafraseio e o nomeio-o como sendo a classificação primordial de tudo - Hoje está um dia morto...
Morto? o sol está brilhando, construções vão se erguendo tatatatatatata de britadeira, muros cimentados, pessoas pra lá e pra cá, capitais girando o globo, estudantes dormindo em sala de aula, a bruma se dissipando, ainda deixando aquele ar de friozinho de manhã - estamos no inverno Zé - e você quer ir no boteco (para alguns bUteco - vá entender...)....
Eu moro relativamente bem, num lugar clássico e formoso de botecos, churrasquinhos e rodas de samba - embora eu prefira Rock... Ai você pensa, meu caro leitor, já beber de manhã? o galo mal cantou, po, que merda, hein? Não.... É um desses dias que lhe vêm a mente aquele trecho de música que você não se lembra a banda ou o álbum: um minuto para o fim do mundo/ toda a sua vida muda num segundo Êta depressão porreta!
Seja você quem for, quando está melancólico demais, e sua vida parece um filme noir antigo, o que lhe vem a mente? Drogas, prostitutas, suicídio, tentar um columbine day na escola ou no trabalho, armar um ataque terrorista, what ever! o que lhe vem na massa a que você chama cérebro ou, generalizando, carne, corpo, matéria - um amontoado nojento de átomos mais velhos do que possa imaginar - o que pensa? bebida. O medo percorre-lhe o corpo. Você sua. Se enjoa. deseja e não deseja o álcool.
Nessa sua miserável vida que voce tanto deseja que acabe, concomitantemente (sem dúvida essa é uma bonita palavra) tenta salvar a sua existência maldita...... Como? enchendo a cara!
vai no boteco pede uma cerveja engole duma vez pede outra engole pede uísque engole pede outro num trago só muda pra vodka vira duma vez.... Bêbado? Não!
E depois de horas e horas finalmente num ápice de kalatmandu, chegas afinal no K.O.
ótimo, né?
em termos....
aqui estou eu, em frente ao computador, a urbanidade lá fora, pra mim sendo já fim de semana - ou seja, meu manifesto está valendo - e sem nada no bolso - nada de dindin grana mufunfa cobres cruzado mil-réis pratas paus verdinhas... nada!
o X da questão: não posso me embebedar. logo, as outras opções não existem, pois o primordial - beber - não é concretizável agora. Que faço?
pulo a bebedeira e vou logo para a ressaca existencial a que estamos confinados nesse minúsculo point in the universe witch we call earth - Terra....
Hã?
motivo do post: merda nenhuma!
você, meu leitor, que por milagre não desistiu desse lugar pútrefo que denomino vaso (sanitário) - my home - está lendo mais um devaneio de um Zé - Todos somos Zé....
Então.... C'est finni....
Só isso?, é, hum, então tchau, té mais ver, posso te ligar, não deixa que eu te ligo, ok, bora sair mais tarde, nem dá, então ta, ta, tchau.....
garçom! ta aqui, ó!
Pago a conta do boteco,
ao som do bom e velho Noel Rosa

au revoir

abraços libertários