quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Atualidade

Certas coisas acontecem no momento certo para nos trazer coisas boas, embora quando aconteçam, possa não parecer. Poizé, meus amigos, alguns podem rir do q vou escrever. Podem rir, dou permissão para isso. Se não fosse comigo, até eu riria. Se bem que hoje em dia, eu mesmo rio daquilo.
Semana passada fui assaltado num grande momento de burrice! Após uma tarde agradável de piquenique, passeio no museu nacional e ao zoológico, eu e minha namorada sentamos na grama para aproveitar o entardecer. Logo escureceu e fomos assaltados! Nós 2, os idiotas, deitados na grama, cercados por 3 pivetes. Não tivemos como reagir. Dela só levaram 6 reais. De mim, perdi o celular, fone, 15 reais e meus óculos. Na hora, óbvio, fiquei intensamente irritado. Mas depois, me acalmei. E hoje, tranquilo estou sobre o episódio.
Só o que me deixa ainda desconfortável é a perda das fotos que estavam no celular e os meus óculos. Pra que roubar os óculos de alguém???!! Digamos que agora eu vejo um mundo diferente rs.
Estava pensando, quantas coisas inúteis nós temos. Não sinto falta do celular. Afinal, se eu odeio falar ao telefone, pq tinha um? Não sinto mais a pressão do tempo, a urgência d falar com tal e qual pessoa, ou, ver q horas são pra não me atrasar. Oras, o tempo é coisa inventada. Por que temos tanto medo dele? Não corro pra chegar na aula, acordo somente quando meu corpo quer (mesmo q eu perca algumas aulas), não preciso desesperadamente lutar para não chegar tarde em casa.... Nem recebo ligações em momentos, digamos, inapropriados.
Dias atrás, creio que todos sabem do bug que teve no orkut. Eu peguei. Só sei que eu fiquei produndamente indignado, com raiva do orkut e seus tantos erros, tantas atualizações inúteis que só complicam nossa vida. Excluí minha conta no Orkut. Nem sinto a falta dela.
Acabou a prisão, tenho vida novamente. Ninguém invade minha privacidade nem me acham quando me escondo. Tenho mil e uma identidades, centenas de anos para viver. E meu dia, que antes tinha míseras 24 horas, agora possui um número infinito delas. Quebrei a corrente, caí na margem da sociedade.
Melhor agora eu andar por aí, antes que a polícia de costumes me pegue e me obrigue a entrar nessa roda viva coletiva que é a vida contemporânea. Estou livre! e vocês... não.
Abraços Libertários

sábado, 11 de setembro de 2010

Finalista da Megazine

Pois bem, meus leitores.
Minha vida está uma roda viva, sem dó nem piedade, o que chamamos "vida adulta", com todas as aspas possíveis de sadismo e sarcasmo. Mas fazer oq? Uma hora você acorda e descobre que não adianta o quanto você implore, sua mãe não vai colocar seu almoço, nem vai comprar aquela roupa pra você e muito menos vai te dar dinheiro espontaneamente. Você descobre que terá eternamente que comprar pão, fazer as compras mensais no supermecado e pagar as contas do banco té de parentes que você não conhecia!
Mas isso não é nada! Só começa a desandar quando se entra na faculdade. É aquele mundaréu de disciplinas, prova pra cá, prova pra lá, trabalho aqui, artigo pra escrever, monografia, estágio, chopada, mais provas, mais textos pra ler, trabalho de campo, projeto, monitoria, puxa-saco acolá e etc, e seguindo tudo rapidamente, furando sinal, atropelando pedestres por causa dos prazos apertados, horas cada vez mais curtas e praticamente sem dormir!
Contece...
Por isso que no Japão há tantos suicídios.
Aqui não... exceto pelos emos (ainda existem?).
Bem, mudando de assunto,
quero pedir o seu voto.
Não, não estou me candidatanto a nenhum cargo político, mas a uma vaga no conselho jovem da megazine, um revista semanal do jornal O Globo. Para isso, votem no meu texto.
Leiam.
Abraços libertários

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Espreguiçando...

I'm alive! Não parece, mas sobrevivi ao primeiro período da faculdade! Finalmente posso ter vida própria, parar de seguir o rebanho e enfim, respirar e descansar! Té esqueço que as férias serão curtas ou que ainda preciso terminar 2 finais. Mas estou livre, liberto dos grilhões da rotina, rotina que abomino com todas as minhas forças!
Coisas bizarras aconteceram esse ano e com certeza, outras mais ainda virão (espero). Uma nova vida começou, com novas experiências, muita poesia no ar e uma bela morena ao meu lado. Agora curto esse recesso para depois voltar para assustar os meus calourinhos. Algumas considerações sobre o que virá:
Então, a copa cabou né? outro desastre que não merece muitos comentários. Perdi a aposta de que seríamos campeões.... Agora virão as eleições.
Já notaram como já anda a propaganda? milhares de panfletos espalhados e entupindo bueiros, aumentando ainda mais a sujeira e a podridão reinante no país! De 4 em 4 anos é um circo doentio o que chamam de eleição, que não serve pra merda nenhuma e só enche o saco! Se eu pudesse nem saia de casa pra votar.... mas sou obrigado! se não votar nulo, votarei em Marina.
Sinceramente, ela é a que tem as melhores propostas. Mesmo que não ganhe, ela tem meu voto!
Deve estar pensando: porque pensar em outubro se inda estamos em julho?
porque o tempo é curto, fugaz, como diria Cazuza "o tempo não pára".
Logo outubro chegará de mansinho, com sua roupa desbotada, entre laranja e marrom, talvez meio pálido ou hepático, mas de aspecto quase renovo. Deixará o cansaço do inverno, se tornarná alegre e primaveril, deixando o casaco no armário e vestindo bermuda e chinelo.
Com isso teremos os risinhos falsos, as falsas promessas, os falsos candidatos e a falsa democracia com falsos cidadãos... para logo depois sermos palhaços e submissos levando trolha quando estivermos de quatro!
Essa, meus amigos, é a nossa política!
Mas isso vcs já sabem, afinal, que brasileiro não conhece isso?
Enfim,
melhor voltar a estudar, afinal, se estou virando esta noite pra estudar, não posso ficar muito tempo me distraindo...
Foi só para matar a saudade que vim, mesmo que ninguém leia. Acho ridículo que as pessoas leiam os blogs uns dos outros só para retribuir visita! Como não tenho lido o de ninguém, este meu canto da privada anda esquecido por tudo e por todos... não faz mal.
Importa apenas que esse canto exista, tendo vida própria, sem depender de ninguém.
Abraços libertários

sábado, 26 de junho de 2010

Minutinho...

Em época de copa do mundo e provas ao extremo na faculdade, e com isso, muitas noites sem dormir para teoricamente estudar, passo aqui para refletir um pouco ao velho estilo made in vaso.
Brasil está avançando lentamente, aos trancos e barrancos. Eu seriamente penso que podemos conquistar o Hexa esse ano (melhor presente de aniversário, impossível!). Não que a seleção esteja jogando bem - isso todos nós sabemos que não é verdade, um exemplo é a incapacidade do time de jogar contra outro que jogue mais fechado (Vide Coréia do norte e Portugal). A questão é que essa Copa é a copa dos ferrapados. O espetáculo é as más atuações de todos, placares bizarros e mais ainda: as seleções que passaram para as oitavas. Eu aposto uma final Brasil e Argentina.
Ao mesmo tempo, não posso pensar em jogos de futebol por causa da faculdade. Tenho tantas provas e trabalhos q realmente penso num jeito de desacelerar a Terra pra que eu tenha mais tempo para fazer tudo! Sabe, leitor, nunca fui de gostar de café. Mas desde que comecei a faculdade, sou movido à cafeína. Não tem jeito! Tem dias que durmo umas 5 horas durante a noite de pois tenho que encarar 6 horas de vegetais e mais 4 de cálculo I. Sem café é impossível! No mínino, são uns 4 expressos paa me manter disposto no dia.
Alias, tive uma vontade estranha de tomar um legítimo café colombiano outro dia... sempre aparece em filmes que esse tipo é muito bom.... sei lá.... e olha que continuo não gostando de café!
Essa semana estou numa verdadeira sinuca: tenho 6 provas + 3 trabalhos, tem as oitavas e quartas-de-final e meu aniversário..... Ou seja: coisas demais e tempo de menos!
Que vontade de deitar na rede e, dedilhando a viola, ver o sol se por....
Saudade dos tempo de menino quando tudo era azul como mar calmo e maresia refrescante.... ao invés dessa ressaca violenta que é a vida adulta que se inicia!
Enfim,
a vida segue, afinal, é preciso crescer. Assim como é preciso arrumar um jeito de passar nas matérias sem precisar estudar muito para poder ver o Brasil jogar ao lado de amigos e muita zoação para durar a noite inteira!
Vai um gole de café aí?

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Rodapé

É, parece que meu último post não foi do agrado dos leitores.
Mas que posso fazer? Há tanta coisa errada no mundo, tantos problemas sociais, tantos problemas ambientais que inclusive ameaçam nossa sobrevivência.... que mais posso eu fazer?
Nos blogs anteriores, que ninguém aqui deve ter tido contato, falei de muitos deles e se hoje ainda falo alguma coisa é porque acredito que é melhor ter uma voz não ouvida do que não ter voz.
Não ter voz é abaixar a cabeça ou, na melhor definição, ficar de quatro e se deixar ser abusado. A nossa marca, como a de todos na história humana, é a do conformismo. Antes aceitávamos tudo porque as coisas aconteciam porque tinham que acontecer, porque era destino ou algo do tipo. Hoje, nós aceitamos a realidade por pura preguiça e egoísmo.
Por mais que não queiramos entender todos nós fazemos parte de um conjunto, de uma teia. Se em algum ponto tiver alguma coisa que não está certa, pode demorar mas todos sentirão o reflexo. Se vc, que está ai sentado ao computador pensa que está a salvo, não pense mais nisso. Você ainda sentirá a dor e o desespero. É questão de tempo!
E embora eu ainda tente ter esperança, o que resta à humanidade é a destruição e o caos de sua ruína, pois somos o verdadeiro câncer nesse planeta. Nós conseguimos fazer mal a nós mesmos e às outras formas de vida. E somos indiferentes a isso. Que destino merece uma espécie assim? Somente a sua extição.
Espécies surgem e desaparecem, homens nascem e morrem, é o sentido natural das coisas. Nós sumiremos da face da terra e nosso legado será esquecido, pois de nada ele pode ser aproveitado. se algum dia caminhar sobre esse mundo uma nova espécie racional e dominante, que não cometa os mesmos erros que nós.

Abraços Libertários

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Apocalipse negro

Vocês já devem ter ouvido sobre aquele vazamento monstro lá nos Estados Unidos. Outra vez temos mais um desastre ambiental que traz risco e etc etc e etc. Essa ladainha toda que se fala no jornal, que nos comove e nos indigna contra tamanha irresponsabilidade tanto da empresa petrolífera quando do governo dos EUA. Como estudante de biologia eu fico p*** com isso! Po, como eles têm a cara de pau de fingir arrependimento e logo em seguida fazer outra burrada dessas?????? Quem não se lembra do desastre no Alasca? (eu não era nascido rs)
ou do desastre aqui no nosso quintal da Baía de Guanabara?
E tantos outros exemplos que eu não lembro, mas que nos dizem para termos cuidado ou pararmos de fazer isso porque estamos envenenando o planeta e a nós mesmos! Agora fora da esfera do petróleo, quantas merdas já não fizemos ao meio ambiente? Nós cagamos a mata atlântica, extinguimos animais por todo o globo, cabamos com o Mar de Aral, aumentamos o efeito estufa, poluímos importantes fontes de água doce e etc!
É só você, leitor, lembrar das aulas do colégio e verá que nós, seres humanos, estamos destruindo o planeta. Toda uma história de 3, 5 bilhões de anos (quando a vida surgiu) está sendo abruptamente alterada em cerca de 200 anos, que é quando começamos a realmente mudar as coisas segundo nosso frio e estúpido interesse de expandir nossas fronteiras e lucrar com isso.

"Filho,
você que ainda não nasceu, não me perdoará pelo que não fiz. Calei a minha voz e me omiti. Deixei que viessem de todos os cantos e roubassem todo o seu futuro nesse mundo. Disseram palavras doces, mas fiquei com uma mão na frente e outra atrás quando foram embora. Os recursos foram consumidos impensavelmente e à você só resta a dor e a incerteza como herança. A sua geração terá trabalhos à fazer para se salvar dos nossos erros e talvez dar uma chance à perpetuação de nossa espécie.
Talvez você nem ligue para isso, afinal, que se dane uma espécie que faz tanta asneira em tão pouco tempo! Cavamos nosso abismo mesmo quando alertados dos perigos. E agora, só nos resta o pó. O pó do nosso nascimento e do nosso castigo.
Perdoe-me, pois sei que errei! Não tenha ódio de seu pai que nem lhe pensa em fazer ainda. Não guarde rancor pela minha existência, nem cuspa na história que lhe legamos. Viva esse século como uma nova era, um novo recomeço. Ainda há tempo de se fazer alguma coisa!
.........ou talvez não.
'Uma gota de óleo foi toda a nossa sabedoria, mas um oceano inteiro foi a nossa estupidez'
Enfim, termino essa carta, meu filho amado. Quando ler essas pobres e tortas linhas, pense em mudanças. Porque foi o conformismo a marca da minha geração. Que a marca da sua seja a luta por um mundo melhor.
Abraços libertários,
Erick macau"

terça-feira, 4 de maio de 2010

Reflexão jornalística

Em nome da cruz fizemos guerra. Em nome da cruz desbravamos mares e civilizamos povos. Em nome da cruz moldamos todo o ocidente. E em nome da cruz se perverte crianças.
Os católicos que me perdoem, mas é uma santa hipocrisia! Já estou cansado de abrir o jornal e ler mais um novo escândalo de padre que usou serviços sexuais de crianças e adolescentes! Estou indignado! E também enojado, favor tome nota.
Antigamente era comum o filho do vigário, a mulher do padre..... mas o garotinho do padre????????
Que perversão!!!!!! Como a mesma boca que diz coisas tão agradáveis sobre o divino, que recomenda penitências e abençoa, faz outras coisas tão feias??
Como a Igreja Católica tem coragem de encobrir isso??? COMO ELES DORMEM À NOITE?
Eu não sei como nenhuma notícia de "pai de filho abusado mata padre acusado" inda não foi divulgada, pois é isso que se espera.
E o pior é que somos coniventes. Ficamos calados e não buscamos justiça. Deixamos tudo na lentidão do sistema, cheio de muitas más vontades.
Isso aqui não é um ataque nem algo parecido. Eu também sou cristão, frequento igreja (não a católica). Mas não condigo tolerar esses lobos que tão bem foram descritos por Eça de Queiroz no seu Crime do Padre Amaro. Quantos duas caras estarão por aí soltos? Quantos ao invés de se comportar segundo a Palavra, estão afundados nessa lama de perfídia???
Deixo essa indignação com vocês, meus leitores.
"Cuidado com as sotainas negras"

abraços libertários

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Faculdade

Saudações deste canto da privada à todos vocês nesta madrugada. Pode não parecer, mas a insônia é produtiva. Pois bem, esse é o meu primeiro post como universitário. To cursando ciências biológicas na federal. (Mó moral né?). Acho que todos sentem o baque entre o final da sua adolescência e o começo da vida adulta a começar com o fim do meu RioCard (pra quem não conhece é um cartão que permite q vc pegue os ônibus de graça) e pela carteira que continua vazia.
Tenho nem um mês de aulas e já vi coisas bizarras que mais me fazem rir do que assustar (ao contrário de outros colegas meus) e me sentir em casa. Depois de 7 anos em colégio público, tu aprende a lidar melhor com as coisas.
No 1º dia eis que se levanta uma manifestação de palhaços no meio dos calouros para reivindicar por suas vidas, já que o prédio deles (onde eu tenho algumas aulas) qualquer hora cai.
Aulas são canceladas e professores não aparecem durante o resto da semana por motivos n. Teve minha tentativa inútil de conseguir um barquinho e tentar chegar à faculdade, mas a força da chuva e dos rios que se formaram ao redor do meu prédio foram maiores.
No laboratório quebrei uma lâmina do microscópio pq não ouvi a monitora (Crianças não façam isso em casa) e depois acabei jurado de morte por 2 veteranos só porque zuei na apresentação.
Outros fatos aconteceram, mas eu não lembro. Tanto tardei para escrever que o material sumiu da minha mente.... ou é porque são 2 da manhã e morrendo d cansaço. Mas o melhor é o trote. Nada como pedir dinheiro pintado ridiculamente! e descobrir que os gringos em Copacabana são pão-duros não tem preço!
Seja como for gostei de lá. Sem falar que estudar vendo o bondinho do pão-de-açucar recompensa também.
É um post bem morno e pessoal. Mas como tava há tempos sem cuspir nada aqui, serve alguma coisa. Próxima vez trago algo mais cabeça ou não ou qualquer coisa que me dê na telha. Se quiserem sugerir estejam a vontade.

Abraços Libertários

segunda-feira, 22 de março de 2010

Humanidade e postura

Em nossa história como humanidade, houveram muitos acontecimentos de glória que nos permitiram evoluir nossa civilização, e outros que ao estudarmos no presente, nos enchem de profunda vergonha. Atos humanos e quase irracionais que selaram o destino de um pouco, uma comunidade, para sempre.

Impérios se construíram sobre guerras e preconceitos sobre outros, sobre vaidade e extermínio. Extermínio este um tanto quanto corriqueiro e atual, por assim dizer. Não foram somente líderes e reinos de tempos quase esquecidos que cometeram os chamados “crimes contra a humanidade”. Neste último século XX, testemunhamos muitas vezes guerras, torturas, perseguições e genocídios sem interferir. E nessa postura cega, surda e muda, milhões morreram. Exemplos não faltam: Stálin (ataques contra minorias), Hitler (ainda hoje o Holocausto mantém feridas abertas), Sadam Russeim (massacres de curdos e outros), na figura de líderes, e países como Ruanda e Sudão que permitiram que ceifassem vidas de grupos específicos no seu território seja por preconceito, por medo ou indiferença.

Foram homens e mulheres que não envelheceram e crianças que não cresceram pelo único e mesquinho motivo do poder. Poderíamos dizer que se houvesse educação tais coisas não aconteceriam ou se o povo fosse mais “culto” não permitiriam que suas lideranças cogitassem esses extermínios. Talvez sim, talvez não. Em países como o Brasil, crimes contra a humanidade sequer são lembrados. São problemas de países distantes ou só uma fantasia. Mas se voltarmos o olhar às comunidades carentes, veremos que seus moradores vivem em condições subumanas. Obviamente não estão sofrendo genocídio, mas estão morrendo lentamente por falta de amparo, cuidado, recursos, esperança e ajuda. Logo, estão sendo exterminados, e isso num país “educado”.

Com a educação pode ser que tais coisas diminuam, mas não pararão. Mesmo numa sociedade ideal, homens pensarão em matar. E essa afirmação não está apoiada apenas no pessimismo ou na máxima “o homem é mau”, mas na verdade de que o preconceito não desaparece com o abc, apenas se mascara.

Concluindo, não basta apenas a educação para extinguir esses atos abomináveis, mas também a mudança de culturas, de valores e posturas. É necessário cooperação e “evoluir”. Precisamos deixar o comportamento individualista e pensar no coletivo, como humanidade neste pequeno planeta azul.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Piadinha

Às 3:47 da madrugada a morte chega ao quarto de Sílvio Berlusconi.
Ele acorda e grita.
- Vim levá-lo, está na hora de ir. - diz a morte se aproximando
- Ir? Ir pra onde?
- Desta pra melhor.
- Mas já? Ainda não terminei!
- Terminou o que?
- De levar todas as mulheres bonitas pra cama. É um dever de Estado.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Apresentação

Meus amigos e amigas que lêem este meu pequeno humilde blog. Depois de, se não me engano, 2 anos aqui neste endereço, resolvi que se torna necessário dar nome aos bois. No meu caso, me apresentar adequadamente. Vocês me conhecem como Pensador Made in Vaso. Mas cansei de usar esse nome e usarei o meu de verdade aqui.

- Qual seu nome então?
- Erick Macau. Prazer em conhecer.

A partir de agora não existe mais o Pensador no Vaso. Nem no nome, nem na foto do perfilzinho do blogspot. Ao lado eu coloquei o link do meu Twitter, caso alguém queira me seguir.

É isso.

Bom dia para todos e apreciem a leitura dos posts antigos té que algum novo apareça por estas bandas...

Abraços libertáros


PS.: Alguém sabe como colocar um contador de visitas no blog?

OBS.: Desisto do contador. Meu blog não ta aceitando nenhum tipo de código.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Novo Selo

Pois é meus amigos, recebi mais um selo. Já é o 2º esse ano, q por incrível q pareça, foi o q menos escrevi....
Recebi o selo Masterblog da Tahiana Andrade, autora do blog Idiotizando. Agradeço a ela por essa mostra de carinho embora conheça meu blog há muito pouco tempo.

Pergunta a ser respondida pelos ganhadores do selo:

Pra mim, o que não tem preço?

- R.: - Pra mim a poesia não tem preço, pois ela está solta no ar com pequenas variações de tons e intensidade à disposição de todos os que podem vê-la e senti-la até enfim despejá-la no papel juntamente consigo mesmo.

Indicando 9 blogs:

1- http://momentolala.blogspot.com/

2- http://idiotizandonanet.blogspot.com/

3- http://meridianosparalelos.blogspot.com/

4- http://do-fundo-do-mar.blogspot.com/

5- http://entreofascnioeopensamento.blogspot.com/

6- http://meunomeegal.blogspot.com/

7- http://blogdogibson.wordpress.com/

8- http://jornalplasticobolha.blogspot.com/

9- http://instavelletargia.blogspot.com/


É isso aí! Peguem seus selos, respondam às perguntas e indiquem outros 9 blogs. Além de prestigiar ótimos leitores podemos ajudar a divulgar blogs que gostamos!


abraços libertários

quinta-feira, 4 de março de 2010

Espalhadas pelo ar - Resenha Crítica

Meus amigos, decidi publicar aqui uma resenha minha sobre um curta que achei belíssimo! Para assisti-lo este é o link:

http://portacurtas.org.br/Filme.asp?Cod=5647

Aproveitem:

Espalhadas pelo ar. Diretor: Vera Egito. Elenco: Ana Carolina Lima,Estevan Santos, Renata Torralba Horta. 2007. 15 min.

Fumaças de cigarro. O traço em comum entre Cora e Viridiana. O que é o cigarro para as duas?
Somente um vício ordinário ou algo além? Pela poesia do curta-metragem, percebe-se que é algo além.

O curta amarra-se em dois núcleos que se iniciam independentes e em dado momento se entrecruzam. O primeiro, e porquê não central, retrata a vida de Cora, típica mulher moderna, presa a uma vida infeliz, a um casamento in
sosso, sem o brilho sensual e luxuriante da paixão. A abordagem do vazio existencial da mulher sem perspectivas no casamento através do seu próprio ponto de vista, quando Cora aos trinta anos mostra-se emocionalmente vazia, abandonada, e, sentindo-se sem o vigor da juventude. Seu marido, um homem calado, com frases curtas em sua relação conjugal, dedica-se totalmente ao trabalho. Fato esse verificado em duas ocasiões: no começo, quando ele pergunta onde está sua meia e Cora, inesperadamente, dá-lhe um beijo, sendo por ele afastada, recebendo a seguinte explicação: “Eu não posso me atrasar”. Noutra ocasião, ele está escrevendo ao computador, sua esposa passa por ele vestindo um robe e ao voltar, está sem a roupa, somente usando calcinha. Ele fica surpreso, mas sem empolgação, logo volta ao trabalho, como se nada tivesse acontecido. Fica-nos uma interrogação relacionada à desculpa do trabalho para estar afastado de sua esposa: poderia ter uma amante ou, simplesmente deixou de amar Cora?

Em dado momento, Cora, ouvindo sussurros, sobe as escadas depara-se com a jovem Viridiana e suas amigas, fumando e usando apenas suas roupas íntimas. Encabulada, Cora volta-se, procurando sair da situação constrangedora, ao que Viridiana explica que estavam fumando ali porque em casa era proibido, e, seminuas para que as roupas não cheirassem a cigarro. E Cora, com um sorriso de cumplicidade, diz: “Podem ficar tranqüilas que o segredo está bem guardado”. Incentivo ao vício? Conivência? Há uma sugestão que nesse cruzamento com Viridiana, adolescente de catorze anos, em época de descobertas, a simplicidade em resolver o proibido em não acatar as normas da sociedade para a idade em que se encontra, ou seja, buscando auto-afirmação, inicia-se o processo de transformação da personagem central.

Repentinamente, sua rotina pacata sofre uma reviravolta com um simples encontro das duas na porta do elevador. Cora simpatiza com a garota. Viridiana lembra-a do fulgor adolescente. A menina reflete a normalidade dessa faixa etária: a descoberta da atração pelo sexo oposto, estar apaixonada por um garoto bonito, experimentar coisas que são proibidas de forma escondida (fumar cigarro no prédio, num espaço público, de roupas íntimas. A naturalidade contrastando com o perigo de ser pega, adrenalina, prazer), a curiosidade pelo sexo, pela expectativa de sua primeira vez. Pensamentos e situações banais que, todavia, para a personagem Cora, são a sua emancipação. Claramente ela não sente mais desejo por seu marido, não sente... amor. Cora percebe isso enfim. Onde estaria seu sentido existencial? Quais regras a mantinham de cabeça baixa? Com um sutil “temos que conversar”, termina o casamento. Ele sai do apartamento, que logo após é redecorado por Cora.

Ao final, Cora sobe as escadas, até o ponto onde encontrara as adolescentes fumando. Ela despe-se de seu vestido, senta-se e fuma. Viridiana aparece, pergunta se ela irá mudar de prédio; Cora responde negando. Só seu marido iria embora. Ela fica. O Curta termina com as duas, lado a lado, ambas somente de roupa íntima, fumando. Cumplicidade, a quebra das regras, das convenções sociais, a exteriorização do interior, e a satisfação de liberdade. Fumaças de cigarro. Quinze minutos de poesia, quinze minutos de reflexão e catarse.



Abraços Libertários

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Premiação

ó! Eu não esperava! Muito Obrigado! Quero agradecer à Academia, aos meus queridos colegas e àqueles que acreditaram em mim esses anos todos (choro).
Ops... esqueci que não é o Oscar...
Enfim, uau, ganhei um selo. Não sei bem pra que que serve, mas ganhei. Haha. Primeira vez isso. Não sei quantas visitas recebo porque, sinceramente, não sei colocar o medidor de visitas. Quero agradecer ao " Momento Lala" por me indicar. Tô surpreso... Saber que os textos que escrevo são realmente lidos por outras pessoas... é uma honra, acho.


Então vamos lá....

7 Coisas sobre mim:


- Tenho uma imagem rude. Dependendo de como me tratarem, eu sou mesmo.
- Sou muito fã de livros a ponto de ter uma mini biblioteca em casa.
- Sou eclético musicalmente. Ouço música clássica, jazz, chorinho, blues, sambas do tempo de noel rosa & cia, gospel e Rock (yeh!!!!)
- Sou escritor e músico (desempregado, fazer oq... Se alguém tiver um emprego aí me avise).
- Tenho muitos sonhos e a cada dia mais um surge.
- Apesar de ser rebelde e revolucionário, sou uma pessoa tranquila, sensível, romântica, simpática e inteligente.
- Um dia quero ser imortal da ABL.




7 blogs que na minha opinião merecem o selo:


http://entreofascnioeopensamento.blogspot.com/
http://momentolala.blogspot.com/
http://do-fundo-do-mar.blogspot.com/
http://meridianosparalelos.blogspot.com/
http://meunomeegal.blogspot.com/
http://jornalplasticobolha.blogspot.com/
http://instavelletargia.blogspot.com/


Cabe aos sortudos, fazerem o mesmo! E segue o bonde.

Abraços libertários

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Manifesto Mande in Vaso II

Pessoas do meu blog, volto a publicar meu Manifesto Literário Made in Vaso, com algumas pequenas modificações.

1 - Será dada toda liberdade de criação aos escritores.
2 - Todo texto deverá ser literário, seja redação de escola, de vestibular, artigo científico, monografia, provas, etc
3 - Palavras devem ser usadas de acordo com o som, significado e origem, mesmo que não sejam bonitas.
4 - As aspas estão extintas
5 - Todos deverão ter no mínimo, um livro publicado
6 - Copy-rigths estão abolidos
7 - Livros de auto-ajuda, Best sellers, e outros livros de modinha estão proibidos.
8 - Artigos definidos só serão permitidos no fim-de-semana, assim como preposições, conjunções e onomatopéias
8,5 - A Nova RegraOrtográfica deverá ser negada, exceto as partes referentes a tremas e hífens.
9 - O ponto final está excluído da língua portuguesa, sendo substituído por vígulas e reticências, dando uma eterna continuidade ao pensamento e ao texto
10 - Referências greco-latinas deverão ser suprimidas nos textos escritos a partir de agora
11 - É permitido neologismos como forma de evoluir a língua.
12 - A censura está liberada às 0h de 31 de fevereiro para fins corporativos
13 - Nomes como estrangeiros não devem mais ser usados em razão de preferência a nomes nacionais. Por exemplo, serão utilizados Jacinta, Mariolinda, Creisvaldo, Octalícia, Joca sorte e Paralelepípedo.
14 - Há de se seguir os princípios dos movimentos antropofágicos, dadaístas, surrealistas e sampler.
15 - Todos a partir da leitura deste estão autorizados a segui-lo.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Publicar ou não publicar?


Quem aqui nunca sonhou em publicar um livro levante a mão. Quem nunca aqui já tentou escreveu um livro? pois é, eu tive a infelicidade de escrever um.
Mas sabe o que percebi? Se Machado de Assis vivesse hoje ninguém iria publicar seus livros porque autor estreante não é garantia do retorno do investimento. E por causda disso ele teria que pagar a publicação, e como era pobre, não conseguiria e portanto, perderíamos um grande marco nas nossoas letras.
As editoras querem best-sellers, modinhas, literatura esdrúxula que povoam as livrarias sobretudo para as adolescentes. cada ano eles conseguem achar uma bobagem diferente que gera milhões de reais para essa rede (editoras/livrarias).
Enquanto isso, quem deseja um livro sério, como os autores do passado, se ferra!
Meu leitor, sabe quanto é que eu teria que pagar pelo meu livro??? R$7100, 00 por 500 exemplares! e inda teria que me virar em vender!
Sabe quando é que eu veria tanto dinheiro?? só depois de velho!
e outra: quem é que compra livro na mão de amigo ou desconhecido? Não, o negócio é comprar nas livrarias!
Pra que fui me meter a escrever?
Como Clarice Lispestor, quando eu não escrevo sinto que estou morto. Escrever é um prazer inigualável!
Mas se cada vez que eu desejar publicar um livro for essa maratona atrás de editoras e no final ter que pagar minha publicação, eu desisto. E tudo poruqe faço parte da população brasileira que não tem grana aos montes e por isso a vida é tão dificil!
abraços libertários

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Férias, vestibular e livro

Bem, aqui estou eu depois de semanas de ausência. E aí, que fizeram?
Depois que se termina o ensino médio, depois daquela euforia louca de nunca mais acordar cedo pro colégio, bate a nostalgia e finalmente o tédio.
E o pior de tudo é a grana curta que não cura o cansaço.
Se bem que essas férias são bem incomuns, como fazer prova de vestibular em janeiro, por exemplo. Sem contar as n maneiras de passar o tempo que tenho desenvolvido (crianças, não tentem isso em casa).
Livros tenho lido muitos, dos mais interessantes aos mais chatos, como o código penal brasileiro.
E finalmente, eu, a pessoinha que vos fala, anda batendo de porta em porta à procura de editoras. Quando você é um jovem idealista e com a cabeça de idéias, com aquela vontade doida de mudar o mundo e ser alguém, nunca pensa como é fácil escrever um livro e como é difícil publicá-lo! Você pensa que será recebido como um marajá e implorarão para que você os deixe publicar sua magnífica obra!......... mas não é assim.
Cabe a você depois se conformar que é um zé ninguém.
Enquanto isso a vida segue...