quinta-feira, 4 de março de 2010

Espalhadas pelo ar - Resenha Crítica

Meus amigos, decidi publicar aqui uma resenha minha sobre um curta que achei belíssimo! Para assisti-lo este é o link:

http://portacurtas.org.br/Filme.asp?Cod=5647

Aproveitem:

Espalhadas pelo ar. Diretor: Vera Egito. Elenco: Ana Carolina Lima,Estevan Santos, Renata Torralba Horta. 2007. 15 min.

Fumaças de cigarro. O traço em comum entre Cora e Viridiana. O que é o cigarro para as duas?
Somente um vício ordinário ou algo além? Pela poesia do curta-metragem, percebe-se que é algo além.

O curta amarra-se em dois núcleos que se iniciam independentes e em dado momento se entrecruzam. O primeiro, e porquê não central, retrata a vida de Cora, típica mulher moderna, presa a uma vida infeliz, a um casamento in
sosso, sem o brilho sensual e luxuriante da paixão. A abordagem do vazio existencial da mulher sem perspectivas no casamento através do seu próprio ponto de vista, quando Cora aos trinta anos mostra-se emocionalmente vazia, abandonada, e, sentindo-se sem o vigor da juventude. Seu marido, um homem calado, com frases curtas em sua relação conjugal, dedica-se totalmente ao trabalho. Fato esse verificado em duas ocasiões: no começo, quando ele pergunta onde está sua meia e Cora, inesperadamente, dá-lhe um beijo, sendo por ele afastada, recebendo a seguinte explicação: “Eu não posso me atrasar”. Noutra ocasião, ele está escrevendo ao computador, sua esposa passa por ele vestindo um robe e ao voltar, está sem a roupa, somente usando calcinha. Ele fica surpreso, mas sem empolgação, logo volta ao trabalho, como se nada tivesse acontecido. Fica-nos uma interrogação relacionada à desculpa do trabalho para estar afastado de sua esposa: poderia ter uma amante ou, simplesmente deixou de amar Cora?

Em dado momento, Cora, ouvindo sussurros, sobe as escadas depara-se com a jovem Viridiana e suas amigas, fumando e usando apenas suas roupas íntimas. Encabulada, Cora volta-se, procurando sair da situação constrangedora, ao que Viridiana explica que estavam fumando ali porque em casa era proibido, e, seminuas para que as roupas não cheirassem a cigarro. E Cora, com um sorriso de cumplicidade, diz: “Podem ficar tranqüilas que o segredo está bem guardado”. Incentivo ao vício? Conivência? Há uma sugestão que nesse cruzamento com Viridiana, adolescente de catorze anos, em época de descobertas, a simplicidade em resolver o proibido em não acatar as normas da sociedade para a idade em que se encontra, ou seja, buscando auto-afirmação, inicia-se o processo de transformação da personagem central.

Repentinamente, sua rotina pacata sofre uma reviravolta com um simples encontro das duas na porta do elevador. Cora simpatiza com a garota. Viridiana lembra-a do fulgor adolescente. A menina reflete a normalidade dessa faixa etária: a descoberta da atração pelo sexo oposto, estar apaixonada por um garoto bonito, experimentar coisas que são proibidas de forma escondida (fumar cigarro no prédio, num espaço público, de roupas íntimas. A naturalidade contrastando com o perigo de ser pega, adrenalina, prazer), a curiosidade pelo sexo, pela expectativa de sua primeira vez. Pensamentos e situações banais que, todavia, para a personagem Cora, são a sua emancipação. Claramente ela não sente mais desejo por seu marido, não sente... amor. Cora percebe isso enfim. Onde estaria seu sentido existencial? Quais regras a mantinham de cabeça baixa? Com um sutil “temos que conversar”, termina o casamento. Ele sai do apartamento, que logo após é redecorado por Cora.

Ao final, Cora sobe as escadas, até o ponto onde encontrara as adolescentes fumando. Ela despe-se de seu vestido, senta-se e fuma. Viridiana aparece, pergunta se ela irá mudar de prédio; Cora responde negando. Só seu marido iria embora. Ela fica. O Curta termina com as duas, lado a lado, ambas somente de roupa íntima, fumando. Cumplicidade, a quebra das regras, das convenções sociais, a exteriorização do interior, e a satisfação de liberdade. Fumaças de cigarro. Quinze minutos de poesia, quinze minutos de reflexão e catarse.



Abraços Libertários

2 pessoas leram!:

Tahiana Andrade disse...

Olá!
Tem selinho pra você em meu blog... pega lá!

CRISIS disse...

Congratulations!!!!