segunda-feira, 22 de março de 2010

Humanidade e postura

Em nossa história como humanidade, houveram muitos acontecimentos de glória que nos permitiram evoluir nossa civilização, e outros que ao estudarmos no presente, nos enchem de profunda vergonha. Atos humanos e quase irracionais que selaram o destino de um pouco, uma comunidade, para sempre.

Impérios se construíram sobre guerras e preconceitos sobre outros, sobre vaidade e extermínio. Extermínio este um tanto quanto corriqueiro e atual, por assim dizer. Não foram somente líderes e reinos de tempos quase esquecidos que cometeram os chamados “crimes contra a humanidade”. Neste último século XX, testemunhamos muitas vezes guerras, torturas, perseguições e genocídios sem interferir. E nessa postura cega, surda e muda, milhões morreram. Exemplos não faltam: Stálin (ataques contra minorias), Hitler (ainda hoje o Holocausto mantém feridas abertas), Sadam Russeim (massacres de curdos e outros), na figura de líderes, e países como Ruanda e Sudão que permitiram que ceifassem vidas de grupos específicos no seu território seja por preconceito, por medo ou indiferença.

Foram homens e mulheres que não envelheceram e crianças que não cresceram pelo único e mesquinho motivo do poder. Poderíamos dizer que se houvesse educação tais coisas não aconteceriam ou se o povo fosse mais “culto” não permitiriam que suas lideranças cogitassem esses extermínios. Talvez sim, talvez não. Em países como o Brasil, crimes contra a humanidade sequer são lembrados. São problemas de países distantes ou só uma fantasia. Mas se voltarmos o olhar às comunidades carentes, veremos que seus moradores vivem em condições subumanas. Obviamente não estão sofrendo genocídio, mas estão morrendo lentamente por falta de amparo, cuidado, recursos, esperança e ajuda. Logo, estão sendo exterminados, e isso num país “educado”.

Com a educação pode ser que tais coisas diminuam, mas não pararão. Mesmo numa sociedade ideal, homens pensarão em matar. E essa afirmação não está apoiada apenas no pessimismo ou na máxima “o homem é mau”, mas na verdade de que o preconceito não desaparece com o abc, apenas se mascara.

Concluindo, não basta apenas a educação para extinguir esses atos abomináveis, mas também a mudança de culturas, de valores e posturas. É necessário cooperação e “evoluir”. Precisamos deixar o comportamento individualista e pensar no coletivo, como humanidade neste pequeno planeta azul.

9 pessoas leram!:

Juliana Oliveira disse...

- Senti falta dos seus textos. Eles são tão cheios de verdade. Não se encontram escritores bons assim em qualquer lugar. Lembranças literárias!

Tahiana Andrade disse...

Sim... concordo com você!
A educação por si só não é suficiente e os métodos que utilizamos estão cada vez mais equivocados.
É por isso que Skinner, quando escreveu seus livros, desenvolveu a ideia de planejamento ambiental, em que a educação depende, prioritariamente de uma mudança cultural.


Bela reflexão!

Ale Sbano disse...

Desde sempre o homem errou,porém sem erros não há evolução..
O problema é quando se insiste em outros erros e em atos que não podem ser considerados humanos..

Gostei muito da reflexão que o texto me causou..sei que muita coisa desimuna acontece em nossa cidade,mas ninguém acha anormal...nos acostumamos a mediocridade e ignorância..
Hora de um basta nisso né?
O pior é me sentir de mãos atadas..

Juliana Oliveira disse...

- Todos nos crescemos, mas só agora a ficha cai. Como vai a vida rapaz?

Lucas Gbs. disse...

adoro seus textos... mesclam realidade com a quimera de escrever. continue postando =)

Nayara Marques disse...

Muito obrigada. Também gostei bastante do seu blog. Li alguns posts seus, e achei-os ótimos. Sobre seu texto "Humanidade e Postura", eu concordo plenamente com suas palavras, mas incluiria nesta lista de exemplos de "ditadores", George W. Bush, que de uma forma mais "democrática", cometeu muitas atrocidades. Também partilho da mesma opinião que a sua sobre educação e reavaliação de posturas e mentalidades.

Espero ler seus comentários mais vezes no meu humilde blog.

abraços literários pra você também.

Nayara.

Gaby Soncini disse...

na verdade de que o preconceito não desaparece com o abc, apenas se mascara


A educação é apenas um complemento do todo.
É dificil pensar depois de tanto tempo, depois de tantas coisas que aconteceram ao longo da história e que ainda acontece é complicado ter a esperança ainda que vai mudar, que o mundo será mais justo, mas mesmo assim não custa nada fazermos nossa parte, continuar acreditando mesmo que esse acreditar seja pequeno, é assim que as coisas não mudam de uma vez, mas começam a melhorar.
Como sempre ótimo texto.
Estava com saudades daqui também.

Grande Beijo!

Juliana Oliveira disse...

- Pensador,
vc tem razão! Vou te passar o meu twi. Não entro muito mas pode me encontrar por lá. É o www.twitter.com/juxrok e o meu e-mail é rangeldeoliveira_4@hotmail.com. Estudar é válido, tente mesmo. Tenho uma super notícia. Passei para letras na ufrj..nem acredito
sonho...

Isilda disse...

Era bom que todos pensassem assim.
Se querem que as coisas evoluam,têm de mudar urgentemente de atitude,e não é só mudar, é pôr em prática.